by cecilia Erismann

Mas do inverno não fujo mais,

Para o verão não volto tão cedo,

Espero a natureza dormir,

No tilintar do pinho,

Da lareira que hoje não há.

Advertisements